September 21, 2020

Login to your account

Username *
Password *
Remember Me

Create an account

Fields marked with an asterisk (*) are required.
Name *
Username *
Password *
Verify password *
Email *
Verify email *
Captcha *
Reload Captcha

    A mídia brasileira, a fake news e o ódio aos cristãos Featured

    O preconceito direcionado aos cristãos existe desde que o mundo é mundo. Mortes, perseguições e torturas servem como punição aos que professam sua fé em vários países do mundo. Aqui, na wonderful land esquerdista, o preconceito é abafado e até incentivado pela imprensa.

    Uma pastora nomeada ministra, uma primeira-dama evangélica, um presidente da República católico: como a mídia brasileira sobreviveria a isso?

    Em frente ao espelho, depois de despejar mentiras e ataques em seu blog, o jornalista desonesto admira suas olheiras de cansaço. O dia foi produtivo. Ele sabe que no dia seguinte será desmentido, mas o estrago está feito. As manchetes vergonhosamente desonestas, como ele, já alcançaram milhares de desavisados que não têm o hábito de conferir a veracidade das notícias.

    É assim que imagino o findar de um dia na vida de um jornalista da Folha de S. Paulo. Talvez eu esteja certa.

    A velha imprensa de Lauro Jardim e Miriam Leitão não sabe lidar com a democracia, com a estrutura do cristianismo. Tudo que foge ao controle do quarto poder no Brasil é novidade.

    A nova realidade, porém, bateu à porta das grandes redações. Cristãos estão se mobilizando politicamente, assumindo posições estratégicas importantes.

    Foi entre uma gambiarra e outra, para transmitir sua campanha nas redes sociais, que o presidente eleito do Brasil andou orando em pleno Jornal Nacional, matando do coração vários militantes esquerdistas, digo, jornalistas do Estadão, da Folha e até, pasmém, da Globo News.

    Sobreviverá a mídia comunista ao ano de 2019?

    O preconceito direcionado aos cristãos existe desde que o mundo é mundo. Mortes, perseguições e torturas servem como punição aos que professam sua fé em vários países do mundo. Aqui, na wonderful land esquerdista, o preconceito é abafado e até incentivado pela imprensa.

    Uma pastora nomeada ministra, uma primeira-dama evangélica, um presidente da República católico: como a mídia brasileira sobreviveria a isso?

    Em frente ao espelho, depois de despejar mentiras e ataques em seu blog, o jornalista desonesto admira suas olheiras de cansaço. O dia foi produtivo. Ele sabe que no dia seguinte será desmentido, mas o estrago está feito. As manchetes vergonhosamente desonestas, como ele, já alcançaram milhares de desavisados que não têm o hábito de conferir a veracidade das notícias.

    É assim que imagino o findar de um dia na vida de um jornalista da Folha de S. Paulo. Talvez eu esteja certa.

    A velha imprensa de Lauro Jardim e Miriam Leitão não sabe lidar com a democracia, com a estrutura do cristianismo. Tudo que foge ao controle do quarto poder no Brasil é novidade.

    A nova realidade, porém, bateu à porta das grandes redações. Cristãos estão se mobilizando politicamente, assumindo posições estratégicas importantes.

    Foi entre uma gambiarra e outra, para transmitir sua campanha nas redes sociais, que o presidente eleito do Brasil andou orando em pleno Jornal Nacional, matando do coração vários militantes esquerdistas, digo, jornalistas do Estadão, da Folha e até, pasmém, da Globo News.

    Sobreviverá a mídia comunista ao ano de 2019?

    Rate this item
    (0 votes)

    Leave a comment

    Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.

    Ad Sidebar
    © 2019 CGN. All Rights Reserved. Designed By uss